sábado, 8 de maio de 2010

Fieles de 40 países rezan el Rosario por la vida y contra el aborto en todo el mundo

MEMPHIS, 07 May. 10 / 11:49 am (ACI)

Católicos de 40 países, hasta el momento, comienzan hoy tres días de intensa oración del Rosario, que se extenderá hasta el domingo 9 de mayo, como parte de la campaña "Un millón de Rosarios por los bebés no nacidos". El objetivo de esta iniciativa, explican los organizadores, es rezar por la vida de quienes están bajo la amenaza de sufrir un aborto.

Esta iniciativa, lanzada por la organización San Miguel Arcángel en Estados Unidos, unirá a católicos de todo el mundo en esta oración mariana. "Estos muy agradecido por cada persona que hasta ahora se ha comprometido a participar en este millón de rosarios por los bebés no nacidos", señala Patrick Benedict, Presidente de la Saint Michael the Archangel Organization.

"En nombre de los bebés no nacidos que están, o estarán, en peligro de ser asesinados, pido a todos los pro-vida en todo el mundo que tomen sus rosarios este 7, 8 y 9 de mayo y recen al menos una vez por esta intención: por el fin de los homicidios quirúrgicos y no quirúrgicos de seres humanos no nacidos".

Tras agradecer a quienes colaboran con esta iniciativa, Benedict comenta que "todavía no es demasiado tarde para dar a conocer a otra gente sobre el rezo del Rosario del 7 al 9 de mayo. Aliento a todos a que nos ayuden de esta forma".

Más información (en inglés): www.SaintMichaelTheArchangelOrganization.org

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Apple - iPad App - Hello Baby

SPUC's John Smeaton: Appointment of Fisichella to New Pontifical Council a sign of ‘Cancer’ in the Church

By Hilary White

ROME, May 6, 2010 (LifeSiteNews.com) – One prominent international pro-life leader has reacted angrily to the rumor, circulated last month by Italian and U.S. journalists, that the head of the Vatican’s Pontifical Academy for Life (PAV), Archbishop “Rino” Salvatore Fisichella, could be promoted to the head of a new dicastery.

John Smeaton, the head of the Society for the Protection for Unborn Children (SPUC), one of Europe’s most prominent and successful pro-life and pro-family organizations, wrote on his blog today that the position Fisichella outlined in his now infamous article about a Brazilian abortion case – together with the support by the English bishops for the U.K. government’s sex education programs – “are cancers which are threatening to destroy countless human lives.”

“A perception that Cafeteria Catholicism prevails in the church will end up serving up the right to abortion worldwide,” he said.

Rumors continue to circulate in Rome and in the press that Pope Benedict’s Pontifical Council for the New Evangelization will be headed up by Fisichella, who launched himself to international fame last year with an article in L’Osservatore Romano that many took as indication that the Church was softening its teaching on abortion. The article, titled, “On the Side of the Brazilian Girl,” purported to support a nine year-old rape victim whose twin children were aborted in March last year, against the actions of her local bishop, who had announced the automatic excommunication of the abortionists, and those who facilitated the abortion. Fisichella wrote, “Other people deserve excommunication and our forgiveness: not those who have allowed you to live….”

Smeaton wrote, “How would such a scandalous appointment affect the world's perception of Catholic moral teaching on abortion? And, in Obama's push for a universal right to abortion, how would such an appointment affect the world's perception of conscientious objection to abortion on the part of health professionals?”

The new Vatican department will reportedly focus on the re-evangelization of Europe and other western countries that have largely abandoned their traditional Christian foundations. Fisichella’s appointment is said to be anticipated on the basis of his ability to handle the press and his connections around Europe in the academic world.

Smeaton continued, “In the interests of the lives of unborn babies worldwide Archbishop Fisichella should be removed form the Pontifical Academy for Life without the consolation prize of a promotion especially one which might make him a Cardinal.”

Whoever heads it, the Pontifical Council for the New Evangelization will likely be an office that will earn its leader a red hat, an issue of grave concern to pro-life advocates who were horrified at Fisichella’s article and who have called for him to be removed from any responsible Vatican office.

Far from the controversy dying down, in March this year, Professor Joseph Seifert, a senior member of the PAV and the founder and rector of the International Academy of Philosophy in Liechtenstein, wrote that he believed Fisichella had knowingly departed from the Catholic teaching on the sanctity of human life, an action that should completely disqualify him for any office.

With his article, Seifert said, Fisichella promoted “a new moral doctrine diametrically opposed to the teachings of the Church and particularly to those of the Encyclical Evangelium Vitae.”

This, Seifert said, “would make it impossible to nominate him as bishop of a diocese, let alone of a diocese linked to a Cardinal’s hat and rank.”

“Only an unshakeable and courageous commitment to the full extent of Catholic teaching can qualify a person for such influential and responsible positions for the flock for which Christ has laid down his life.”

Seifert revealed that at their annual meeting this year, he had proposed to Archbishop Fisichella that the entire PAV, including its head, issue a statement that unequivocally pledged their support for the Catholic teaching. Fisichella, Seifert said, refused the suggestion.

Read LSN’s extensive coverage of the Fisichella scandal here.

Contact information:

Congregation for the Bishops
Giovanni Battista Re, Cardinal, Prefect
Francesco Monterisi, Secretary
Palazzo della Congregazioni,
00193 Roma,
Piazza Pio XII, 10

William Cardinal Levada
Congregation for the Doctrine of the Faith
Piazza del S. Uffizio, 11, 00193 Roma, Italy

E-mail: cdf@cfaith.va

Pope Benedict XVI

terça-feira, 4 de maio de 2010

The Pill Kills Sex Drive

So why does a self-professed feminist and thoroughly modern woman hate the pill?

Because it kills her libido:

“I hate the pill. Hormonal contraception, which covers birth control pills and nearly every other highly effective method on the market, murders my libido. I say that with as much certainty as I can, given the murky, multi-variate thing that is the human sex drive. I’ve experimented with several pills, hoping that any slight variation in hormonal ingredients would yield a contraceptive that worked without neutering me. Each doused my interest in sex as completely as the other. Although a libido-destroying pill does wonders to lower your pregnancy risk, it’s also done a number on my relationships, self-esteem and emotional well-being." Read more

Un terapeuta sexual cristiano es despedido del trabajo por negarse a atender a parejas gay

Un terapeuta sexual fue despedido por la empresa en la que trabajaba por haberse negado a atender a parejas homosexuales. La justicia británica considera que estaba obligado a atenderlas a pesar de sus creencias y rechaza la objeción de conciencia. Ler mais

Detienen en Inglaterra a un predicador cristiano por decir que la homosexualidad es un pecado

Un predicador baptista fue detenido por un policía británico, que se identificó como activista gay, tras predicar en la calle que la homosexualidad es un pecado a los ojos de Dios. El cargo: crear «acoso, alarma o angustia». Un delito de orden público. Posteriormente fue puesto en libertad a condición de que no volviera a predicar en la calle. Ler mais

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Morality, Rationality, and Natural Law

by Robert P. George

We should prefer natural law thinking to utilitarianismhere’s why.

If moral norms, including those prohibiting such evils as murder, rape, torture, enslavement, and genocide, are what they purport to be—namely, principles for guiding human choices and actions—then there must be a point to abiding by them; they must have some rational basis. Do they? What could provide such a point and basis?

At the foundation of our moral thinking is our understanding that some things are worth doing or pursuing for their own sake. It can make sense to act to promote or realize them even when we expect no further benefit from doing so. In other words, they give us more than merely instrumental reasons for acting. When we see the point of performing a friendly act, for example, not for any ulterior reason, but just for the sake of friendship itself—or when we see the point of studying abstract mathematics, the plays and sonnets of Shakespeare, or the structure of distant galaxies just for the sake of knowledge—we understand the intrinsic value of such activities. We grasp the worth of friendship and knowledge (to take just two of many possible examples) not merely as means to other ends, but as ends in themselves. Unlike money or insurance coverage, these goods are not valuable only because they facilitate or protect other goods. Rather, they are themselves constitutive aspects of our own and others’ fulfillment as human persons.

Of course, feelings and emotions can and do motivate our actions. But the point here is that certain intrinsically worthwhile ends or purposes—like friendship and knowledge—do not appeal merely to our emotions, considered entirely apart from rational reflection and judgment. They also appeal to our understanding—what Aristotle called our “practical reason.” Thus, a complete account of human action cannot leave out the motivating role of reasons provided by ends or purposes whose intrinsic worth we grasp in intellective acts—what are sometimes called “basic human goods.” Indeed, often it is the case that we desire to something as a result of our rational grasp of its inherent value. Apart from our rational judgment that it is worth doing—i.e., that it provides a benefit and, thus, has an intelligible point—we would simply have no desire to do it.

It is this truth that the brilliant 18th century philosopher David Hume spectacularly missed in proclaiming that “reason is, and ought only to be, the slave of the passions, and may pretend to no office other than to serve and obey them.” For Hume, in other words, our brute desires specify our ultimate goals (e.g., survival), and the most that reason can do is tell us how to achieve those goals (e.g., eat this, refrain from eating that). But human deliberation and action are a great deal more complex (and interesting) than Hume’s purely instrumental account of our practical reasoning—his reduction of reason to the role of emotion’s ingenious servant—would allow. Our practical reason also makes possible judgments regarding which goals are intelligibly worth pursuing for their inherent benefits, and which, by implication, are merely instrumentally valuable or not of any value at all.

If someone performs a friendly act just for the sake of friendship itself, and not solely for some ulterior motive (which would, after all, render it something other than a true act of friendship), we are not left baffled by it, as we would be left baffled by, for example, someone who for no reason beyond the act itself spent time repeatedly closing and opening a closet door, or walking up and down a busy street informing complete strangers that he likes the flavor of artichokes. Indeed, we grasp the intelligible point of an act of friendship even if we regard the particular act as one that is not strictly required as a matter of friendship, and, indeed, even if we judge the particular act, though motivated by friendship, to be morally forbidden. (Consider, for example, someone’s telling a lie to protect the reputation of a friend who has done something disgraceful. Even if we make the moral judgment that such an act ought not to be done, we can understand the point or benefit of someone’s doing it. We might well criticize such an act, but we would not find it baffling.) We understand friendship as an irreducible aspect of our own and other people’s well-being and fulfillment.

But again, friendship and knowledge are merely two of many aspects of our well-being and fulfillment as human persons. We human beings are complex creatures. We can flourish (or decline) in respect of various aspects of our nature. For example, we are bodily creatures—organisms—and therefore can flourish (or decline) in respect of our physical health. We are rational, and therefore can flourish (or decline) in respect of our intellectual well-being. We are moral agents, and therefore can flourish (or decline) in respect of our character. Although we are individuals, relationships with others in a variety of forms of friendship and community are intrinsic aspects of our flourishing, and not merely means to the fuller or more efficient realization of common individual goals. And we can certainly flourish (or decline) in respect of the richness and quality of our relationships. The list could go on. My point is that the human good is variegated. There are many basic human goods, many irreducible (and irreducibly different) aspects of human well-being and fulfillment.

The variegated nature of human flourishing, and the fact that basic human goods can be instantiated in an unlimited number of persons in an unlimited number of ways, means that we must make choices. Of course, many of our choices, including some serious and even tragic ones, are choices between or among morally acceptable options. No moral norm narrows the possibilities to a single uniquely correct option. But moral norms often do exclude some possible options, sometimes even narrowing them to one. How can that be?

Among those who share the view that morality is, in a deep sense, about human flourishing, there are two main schools of thought. The first, known as utilitarianism (or, more broadly, as consequentialism), proposes that people ought always to adopt whichever option offers the best proportion of benefit to harm overall and in the long run. There are many problems with this proposal, but the most fundamental is that it presupposes, quite implausibly, that different realizations of the human goods available in options for choice (e.g., this human life, that friendship, this part of someone’s knowledge, those aesthetic or religious experiences) can be aggregated or netted (and thus substituted) in such a way as to render the idea of “the net best proportion of benefit to harm” coherent and workable.

This is a mistake. To say, for example, that friendship and knowledge are both basic human goods is not to say that friendship and knowledge are constituted by the same substance (“goodness”) manifested in different (but fully replaceable) ways or to different degrees. They are, rather, two different things, reducible neither to each other nor to some common factor of value. To say that friendship and knowledge are basic human goods is merely to say that they have this, and only this, in common: each can provide us with a reason for acting whose intelligibility as a reason is dependent neither on some further or deeper reason nor on some subrational motivating factor to which it is a means.

This point can be seen by reflecting on what is lost or foregone in choices between truly good but mutually exclusive options. The good of the option not chosen is simply not to be found in the option that is; this is why regret is possible even when we make good choices. If the utilitarian presupposition of commensurability were sound, then the “best” option would contain all the good contained in the other options, plus more. There would be nothing to regret.

The alternative to utilitarianism, at least for those who believe that ethical thinking proceeds from a concern for human well-being and fulfillment, is what is sometimes called “natural law” ethics. Its first principle of moral judgment is that one ought to choose those options, and only those options, that are compatible with the human good considered integrally—that is to say, with an open-hearted love of the good of human persons considered in all of its variegated dimensions. The specifications of this abstract master principle are the familiar moral precepts that most people, even today, seek to live by and to teach their children to respect, such as the Golden Rule (“do unto others as you would have them do unto you”), the Pauline Principle (“never do evil that good may come of it”), and Kant’s categorical imperative (stated most vividly in the maxim that one ought to “treat humanity, whether in the person of yourself or others, always as an end, and never as a means only”). When applied to the basic human goods as opportunities for them arise in the concrete circumstances of life, these precepts yield fully specific moral norms such as those forbidding murder, rape, torture, enslavement, and genocide. The movement of thought from our grasp of the many dimensions of human well-being and fulfillment to the first principle of morality and its specification in the form of more concrete norms of conduct is fundamentally—and decisively—the work of reason.

Food: There's Lots Of It

Papa Benedetto - Un dolore vero per ridare fiducia

Vittorio Messori

(19 aprile 2010) - Corriere della Sera

Daniel Cohn-BenditIl leader dei Verdi europei si è vantato di avere praticato il sesso con i minori. Da Sartre a Lang, la de Beauvoir, Foucault, Jack Lang, firmarono per la depenalizzazione dei rapporti con i giovani

Nessuno si aspetta che il Ministro da cui dipendono i Convitti Nazionali incontri gli «abusati» da qualche insegnante o inserviente, esprimendo «dolore e vergogna». Altrettanto vale per gli armatori di navi, dove la sorte dei minori imbarcati è nota a tutti.

Né esprimono pubblica contrizione i responsabili dello sport giovanile, dove spogliatoi e docce attraggono, com' è risaputo, anche una fauna di adulti ben prevedibile. La pedofilia (o pederastia che sia, il limite di età è incerto e varia a seconda di gusti e culture) è presente da sempre, ovunque ci siano uomini e donne. E, spesso, è presente in modo non clandestino, è addirittura lodata e raccomandata da filosofi, come avvenne nell' antica Grecia e com' è avvenuto nel Sessantotto europeo e americano.

Il leader dei Verdi all' Europarlamento, Daniel Cohn-Bendit, il già carismatico capo della contestazione, si è vantato di avere non solo raccomandato ma praticato il sesso con i minori quando era insegnante. Mario Mieli, ideologo e iniziatore del movimento omosessuale in Italia, in un' opera di culto stampata dall' allora austera Einaudi, considerava «opera redentiva» per entrambi il sesso tra un adulto e un giovanissimo. Sartre, la de Beauvoir, Foucault, Jack Lang, il futuro ministro francese, firmarono con altri intellettuali un famoso manifesto dove - in nome della «liberazione sessuale» - esigevano la depenalizzazione dei rapporti con minori, bambini compresi.

In quei «maestri» riviveva una lunga tradizione europea. Il filosofo venerato dai giacobini, a partire da Robespierre, e dalla maggioranza dell' élite rivoluzionaria, non era certo il blasfemo Voltaire bensì l' edificante Jean Jacques Rousseau, apostolo della educazione infantile. In tutti i sensi, visto che scrisse compiaciuto di avere comprato a Venezia una bambina di 10 anni, che seppe liberarlo dalla depressione.

Eppure, malgrado i pulpiti da cui vengono tante prediche siano risibili; malgrado sia impenetrabile il silenzio di coloro che rappresentano ambiti ampiamente coinvolti; malgrado questo, Benedetto XVI continua a voler mostrare che la Chiesa «è differente», sino a umiliarsi personalmente. A Malta ha ripetuto quanto già aveva fatto in Australia e negli Stati Uniti: incontrare alcuni di coloro che furono vittime, spesso decenni fa, delle attenzioni di religiosi «educatori». Come ha fatto nella drammatica, commovente, lettera aperta ai cattolici d' Irlanda, rifiuta di fare appello alle circostanze attenuanti o di puntare il dito su altri ricordando, come pur potrebbe, che molti giudici di oggi farebbero meglio a tacere.

Il fatto è che papa Ratzinger è del tutto consapevole che il peccato dei sacerdoti del Cristo non ha soltanto conseguenze canoniche e penali, ma ha echi metafisici. Nella prospettiva evangelica, il volto dei piccoli è quello stesso di Dio; chi dà scandalo, qui, meglio farebbe a mettersi al collo una macina da mulino e a gettarsi in un pozzo. Parola, terribile, di Vangelo.

Il Papa sa con quale fiducia non solo i genitori cattolici ma, spesso, anche quelli di altre fedi e convinzioni, affidassero i figli alle istituzioni ecclesiali, ispirate all' ideale evangelico. Il tradimento di quelle attese gli pare intollerabile. Così mostra che la Chiesa, anche nella caduta, non è un luogo come altri: è un ambito dove, nell' istituzione, il peccato è presente. Ma la colpa, qui, è assai più grave che ovunque altrove, perché l' ideale è il più alto, i doveri i più pressanti, il Maestro il più esigente. Il dolore e la vergogna di cui parla vengono da autentica sofferenza, non sono certo melodramma ipocrita. Eppure, per il paradosso evangelico, la sua umiliazione non ne sminuirà ma ne accrescerà la credibilità di guida e garante della cristianità.

Actualização sobre a pedofilia na Igreja

Tradução de É o Carteiro

por Bruno Mastroianni - 30. 04. 2010

Os números, os documentos, a actuação de Bento XVI e a explicação dos casos que vieram à luz. A forma como a Igreja está a tratar uma ferida de que tem consciência.


A contagem do número efectivo de casos de pedofilia por parte dos eclesiásticos não tem como finalidade reduzir o fenómeno, mas compreendê-lo na sua justa dimensão.

EUA: De acordo com o estudo feito em 2004 pelo John Jay College of Criminal Justice (link), os sacerdotes acusados de terem tido relações sexuais com menores entre 1950 e 2002 são cerca de 4.392. Num artigo publicado no Avvenire, Massimo Introvigne fez notar que, destes, os que foram efectivamente acusados de pedofilia foram 958, ascendendo o total dos sacerdotes condenados a 54, pouco mais de um por ano (o número de sacerdotes e religiosos dos Estados Unidos é de cerca de 109.000). Nesse mesmo período, e ainda nos EUA, foram 6.000 os professores de ginástica e treinadores desportivos considerados culpados do mesmo crime pelos tribunais americanos. De acordo com um estudo encomendado pela Conferência Episcopal Norte Americana (link), em 2009 estão a ser analisados 6 casos, num total de 109.000 sacerdotes e religiosos. A revista Newsweek (link) observa que as companhias de seguros americanas não exigem às instituições católicas prémios mais elevados nos seguros contra abusos sexuais, porque os dados provam que os riscos não são superiores aos de outras instituições.

Alemanha: Num artigo publicado no Giornale, Andrea Tornielli informa que, desde 1995, foram denunciados na Alemanha 210.000 casos deste crime contra menores, sendo os casos suspeitos de terem tido lugar no âmbito da Igreja Católica 94 (1 em cada 2.000).

Irlanda: O Relatório Ryan de 2009 (link) registou depoimentos de casos de violência (não apenas sexual, mas sobretudo física e psicológica) no sistema educacional da ilha entre 1914 e 2000, tendo detectado 381 pessoas que declararam ter sido vítimas de abusos sexuais por parte do pessoal educativo, de visitantes, de alunos mais velhos e, em proporção reduzida, do clero. O Relatório Murphy (link) sobre a diocese de Dublin registou, entre 1974 e 2000, depoimentos de 440 pessoas que acusam sacerdotes.

Malta: De acordo com os dados fornecidos por uma comissão ad hoc (link), entre os anos 70 e a actualidade foram acusados 45 sacerdotes. 19 destas acusações foram rejeitadas por falta de fundamento, 13 estão ainda por analisar e outras 13 deram lugar a um processo; de entre as 13 últimas, 4 sacerdotes foram condenados, 7 serão ainda ouvidos pela Santa Sé e 2 já morreram.

Congregação para a Doutrina da Fé: Mons. Scicluna, da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, declarou numa entrevista que, entre 2000 e 2010, a Congregação tratou de cerca de 3.000 casos de sacerdotes diocesanos e religiosos por delitos cometidos nos últimos 50 anos. Desses, 10% dos casos – ou seja, cerca de 300 em todo o mundo – dizem respeito a actos de pedofilia. Em todo o mundo, existe um total de 400.000 sacerdotes diocesanos e religiosos.


Nas intervenções sobre a pedofilia, têm vindo à baila alguns documentos que os jornalistas afirmam erradamente conterem instruções para o encobrimento dos casos de pedofilia. Na realidade, todos os documentos são oficiais e públicos, e a atitude de condenação dos abusos é clara e enérgica. As incompreensões resultam de traduções mal feitas e de imprecisões devidas ao facto de os documentos terem sido redigidos em latim e de não haver, até há pouco tempo, traduções oficiais noutras línguas.

O primeiro destes documentos é a instrução Crimen sollicitationis (texto latino), um texto de 1922 reeditado por outro texto de 1962 de João XXIII, e que diz respeito ao crime de instigação a actos torpes por parte dos confessores. O documento, que trata principalmente de outros abusos, também refere a pedofilia, designando-a como crimen pessimum. Está explicitada no documento a obrigação de denunciar estes crimes (tradução não oficial, para italiano, das passagens mais explícitas).

O segundo é o documento De delictis gravioribus (texto latino, texto italiano), assinado por Joseph Ratzinger e Tarcisio Bertone em 2001 e redigido para dar andamento ao motu proprio Sacramentorum sanctitatis tutela (texto latino, texto italiano), do Papa João Paulo II, que, precisamente para evitar encobrimentos locais, atribui à Congregação para a Doutrina da Fé a competência nas matérias relacionadas com pedofilia.

Tudo isto foi ainda confirmado pelas Linhas de orientação que se seguiram à Instrução: informar a Santa Sé, acatar as disposições da justiça civil, afastar o suspeito das actividades pastorais.

Se houve encobrimentos e omissões, ficaram a dever-se à falta de fidelidade para com as disposições do Papa e do Magistério.


O Papa Bento XVI, primeiro como Prefeito da Doutrina da Fé, e depois como Papa, é sem dúvida nenhuma aquele que mais se empenhou na eliminação desta chaga da Igreja. Leia-se a recente Carta aos católicos irlandeses, em que procede a uma clara condenação do fenómeno e a um enérgico convite aos bispos para que assumam as suas responsabilidades na reparação do mesmo e na tomada de medidas que impeçam a sua repetição no futuro. O Papa deu provas da mesma clareza e determinação na viagem que fez aos EUA (veja-se aqui uma resenha das intervenções que fez sobre a pedofilia) e à Austrália (veja-se aqui uma resenha das intervenções).


Foram recentemente trazidos à baila nos jornais alguns casos de pedofilia que, de uma maneira ou de outra, parecem dizer respeito ao Pontífice. Vistos de perto, todos eles mostram a conduta clara de Ratzinger:

1. Padre Murphy, em Milwakee: trata-se do caso de um sacerdote acusado de crimes de pedofilia nos anos 70. De acordo com os documentos, a Congregação para a Doutrina da Fé (de que Ratzinger era na altura o Prefeito) foi consultada vinte anos depois dos factos, devido a uma acusação de crime de solicitação (e não por causa dos abusos). A Congregação ordenou que, apesar de terem decorrido muitos anos sem indícios de novos crimes e de a justiça civil ter arquivado o caso, o sacerdote se mantivesse afastado de actividades pastorais (veja-se aqui a descrição completa do caso).

2. Padre Kiesle, de Oakland: trata-se do caso de uma carta de 1985 em que o Cardeal Ratzinger não concede apressadamente a dispensa do celibato a um sacerdote acusado de pedofilia que já era alvo de um processo para expulsão do sacerdócio. Alguns meios de informação confundiram as duas coisas: a dispensa do celibato (que é uma concessão) coma a expulsão do sacerdócio (que é uma pena) (veja-se aqui a descrição completa do caso).

3. Padre H da arquidiocese de Munique e Freising: pedófilo que foi transferido para a diocese quando Ratzinger era arcebispo da mesma. O caso remonta a 1980, veio à luz em 1985 e foi julgado por um tribunal alemão em 1986. O Cardeal Ratzinger desconhecia os factos, como reconheceu o então vigário geral da diocese (veja-se aqui a descrição).

4. O irmão do Papa: dois casos de abuso que tiveram lugar em Ratisbona por volta de 1958 pareceram envolver o irmão do Papa. Na realidade, trata-se de casos já conhecidos, juridicamente encerrados e que dizem respeito a um período diferente daquele em que Georg Ratzinger dirigiu o coro (1964 a 1994) (veja-se o já citado artigo de Tornielli que explica os dois casos).


Também se falou de um nexo entre pedofilia e celibato. O psiquiatra Manfred Lutz, um dos maiores especialistas no tema, explicou numa entrevista recente que tal nexo é na realidade inexistente; pelo contrário, os especialistas afirmam que as pessoas que vivem a abstinência sexual correm menos riscos de cometer abusos, em comparação com as pessoas casadas. No já citado artigo de Introvigne, são referidos os estudos de Philip Jenkins, que mostraram que há mais casos de pedofilia entre as diversas denominações protestantes, cujos pastores podem contrair matrimónio; por outro lado, os já referidos 6.000 casos de abusos verificados nos Estados Unidos no mesmo período em que se verificaram os dos eclesiásticos foram cometidos, na sua maioria, por pessoas casadas. Em suma, não parece haver qualquer relação entre o celibato e a pedofilia.

domingo, 2 de maio de 2010

Uma Velada de Armas por Portugal

(Basílica de Nossa Senhora dos Mártires, 22 de Abril de 2010)

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

1. Introdução. Há pouco menos de cem anos, Nossa Senhora apareceu na Cova da Iria para pedir a três pastorinhos que rezassem o terço todos os dias «para alcançarem a paz para o mundo e o fim da guerra». Aqueles três jovens aceitaram o desafio que lhes vinha do Céu, por intermédio daquela «Senhora mais brilhante do que o sol» e, poucos meses depois, concluía-se a primeira Guerra Mundial.

Hoje, é essa mesma Senhora que nos convoca para uma nova cruzada pela paz no mundo e, em especial, por esta Terra de Santa Maria. É Nossa Senhora quem nos pede que de novo empunhemos o terço, que é arma poderosa, e restauremos assim o esplendor de Portugal.

Para esta guerra de paz e de amor, para esta luta do bem contra o mal, contamos não só com a força de Deus e dos seus Santos Anjos, mas também com a poderosa intercessão daquele que, nos campos de Aljubarrota, Atoleiros e Valverde, venceu os inimigos de Deus e da pátria: São Nuno de Santa Maria!

2. Os paradoxos de Fátima. Quando, a 13 de Maio de 1917, Nossa Senhora desceu sobre o descampado de Fátima e apareceu, sobre uma azinheira, a três jovens incultos que nem sequer o terço diário rezavam – não obstante a recomendação materna para que assim fizessem todos os dias, enquanto se dedicavam à guarda do rebanho que lhes fora confiado – dir-se-ia que a Santíssima Virgem cometeu um tríplice erro.

Em primeiro lugar, parece que Nossa Senhora falhou no alvo que pretendia atingir. Se a sua vinda estava relacionada com a conversão da Rússia e o fim da guerra que se travava no centro da Europa, era nas distantes estepes russas ou em terras de França que deveria ter aparecido, e nunca em Portugal, que embora potência beligerante, estava muito arredado dos cenários da guerra e no extremo continental oposto à que viria a ser a grande nação soviética.

Em segundo lugar, se se desejava o fim de uma guerra e, ainda por cima mundial, a Rainha da Paz deveria ter aparecido num fórum internacional, nos parlamentos em que tais decisões são tomadas, nos conselhos de ministros que gerem esses conflitos, nos quartéis-generais que comandam as tropas que se confrontam nos campos de batalha, e não ante três pacíficos pastorinhos que, não só ignoravam as vicissitudes da atormentada Europa, como desconheciam ainda a existência de uma distante Rússia. Mesmo que os pequenos videntes de Fátima estivessem a par da grave situação internacional, também é certo que nada poderiam fazer, por si mesmos, para resolver a crise mundial.

Em terceiro e último lugar, se Maria vinha despertar nos homens e mulheres o desejo da paz e o empenho pela construção de uma sociedade mais justa, deveria ter ido ao encontro de cidadãos de consolidada experiência e de provada sabedoria, e nunca servir-se de três jovens que, pela sua então falta de idade, de ciência e de virtude, dificilmente poderiam ser aceites, na Igreja e no mundo, como intermediários do Céu em tão complexa questão.

E, contudo, foram eles – os Beatos Francisco e Jacinta e a sua prima Lúcia – os escolhidos por Nossa Senhora! Ela, que tinha à sua disposição tantos cristãos ilustres e sábios, alguns talvez até poderosos e ricos. Ela, que se poderia ter servido de instrumentos de grande qualidade humana e espiritual, não desdenhou aquelas três crianças, antes as preferiu e destinou para que fossem, num mundo ferido pelo pecado e pela guerra, as corajosas mensageiras do amor de Deus e da paz entre os homens.

Quando, depois da queda do muro de Berlim e do fim da tirania comunista nos países do Leste europeu, uma significativa representação de católicos russos veio a Fátima agradecer a protecção de Nossa Senhora, tive a graça e a felicidade de falar com o Senhor Arcebispo de Moscovo. No santuário da Cova da Iria, esse prelado confidenciou-me que, durante os longos anos da perseguição comunista, os católicos não podiam ter igrejas abertas ao culto, nem seminários, nem padres, nem livros, nem manifestar a sua religião católica. Por isso, só lhes restava um modo de viverem a sua fé: rezando, individualmente ou em família, nas suas casas e pelas ruas, o terço de Nossa Senhora.

Porquê esta oração? Decerto porque é uma prática a todos acessível, mas porque também nessas longínquas paragens constava que, no outro extremo do continente europeu, em Fátima, Maria tinha prometido a sua maternal protecção ao povo russo. Num campo de concentração, numa caserna do exército, numa escola pública, num hospital do Estado, numa repartição oficial, certamente não se poderia celebrar comunitariamente a fé, mas até nesses lugares, oficialmente interditos a Deus, se rezava pessoalmente o terço de Nossa Senhora. E quantos milhões de terços se não terão rezado nesse país por esta intenção?! Foram essas contas, desgranadas com filial confiança, que abriram as portas da esperança e que reinventaram o amor na renovada expressão da nossa fé!

Queridos jovens! Nossa Senhora não subestimou a força e o poder dos inimigos da fé e da Igreja, quando recomendou a reza diária do rosário! A nossa Mãe do Céu não se equivocou, quando escolheu, para seus interlocutores, três crianças ignorantes! Maria não errou a pontaria, quando aterrou na Cova da Iria! Porquê?! Porque Nossa Senhora sabe que o terço é a arma adequada para recristianizar Portugal e renovar o mundo! Porque Nossa Senhora, a quem foi entregue por Cristo o Apóstolo adolescente, confia nos jovens e no poder da sua oração! Porque Nossa Senhora, que exulta de alegria no Deus que destrona os poderosos e eleva os humildes, conta com Portugal!

3. Um compromisso de oração por Portugal. Em Maio de 1917 era a Guerra Mundial que entristecia a nossa Mãe do Céu e, poucos meses depois, no outro extremo do continente europeu, erguia-se a superpotência que contagiou o mundo inteiro com os seus erros. Mas hoje, quase um século volvido sobre aquela bênção de Nossa Senhora à nossa terra, é também Portugal terra de missão.

Este projecto, nascido à sombra do pendão de São Nuno Álvares Pereira e por ocasião da sua solene canonização, a 26 de Abril de 2009, é um convite lançado a toda a Igreja para que, na magnífica multiplicidade das suas Instituições e dos seus Movimentos, se una na reza diária do Santo Rosário e, mensalmente, na recitação comunitária do terço de Nossa Senhora, na primeira quinta-feira de cada mês. É intenção prioritária dessa oração pessoal e comunitária a defesa da fé em Portugal, prometida por Nossa Senhora aos três pastorinhos na aparição de 13 de Julho de 1917, sem prejuízo de outras razões pelas quais os cristãos que assumem este compromisso queiram também rezar.

Não sendo obrigatória a reza do Santo Rosário, aqueles que individualmente e por um período anual se propõem rezar um ou mais terços diários, ou mesmo uma só dezena, pela referida intenção, não assumem uma responsabilidade que os obrigue, sob razão de pecado, embora se espere que, como mulheres e homens de fé e de palavra, honrem diariamente este seu propósito com Nossa Senhora e com Portugal.

O carácter patriótico desta campanha não pode prestar-se a interpretações de carácter político, de todo alheias ao projecto. Mesmo o cunho marcadamente nacional, mas não nacionalista, desta empresa apostólica não pode ser entendido senão à luz da catolicidade da própria Igreja, do mesmo modo como o preceito divino que obriga a honrar em especial os próprios progenitores, não contradiz o mandato evangélico da caridade universal. A bem dizer, Portugal, na história da nossa fé, não se resume ao rectângulo à beira-mar plantado, mas realiza-se em todas as partes do mundo aonde aportaram as caravelas da Cruz de Cristo. Por isso, desde a sua primeira hora, que foi no passado dia 1 de Junho de 2009, este empreendimento tem um claro sentido missionário.

Um poeta do império português de aquém e além-mar cantou, em eloquente verso, as gestas dos nossos antepassados que esforçadamente dilataram o reino de Cristo na terra. Em jeito de prece, inspiremo-nos nós também na sua palavra, para agora dizermos a Maria, nossa Mãe e Rainha: Senhora, falta cumprir Portugal!

4. A petição pelo Santo Padre. Porque português e também universal, este empenho por alcançar um milhão de terços diários não pode ignorar uma intenção muito particularmente relacionada com as aparições de Fátima: a oração pela pessoa e intenções do Papa.

Foi a Jacinta que, numa visão particular, contemplou o Santo Padre «numa casa muito grande, de joelhos diante de uma mesa, com as mãos na cara, a chorar. Fora da casa, estava muita gente: e uns atiravam-lhe pedras, outros rogavam-lhe pragas e diziam-lhe muitas palavras feias. Coitadinho do Santo Padre! Temos de rezar muito por ele!».

Esta profética visão é hoje uma triste realidade, pois a amabilíssima pessoa do Papa Bento XVI é publicamente enxovalhada e objecto dos mais soezes e injustos ataques. Do mesmo modo como a bem-aventurada Jacinta reagiu, em 1917, com ainda mais orações e heróicos sacrifícios pelo Romano Pontífice, respondamos a esta campanha mundial com uma mais intensa prece pelo «doce Cristo na terra», como gostava de dizer Santa Catarina de Sena, numa cada vez mais inquebrantável adesão a Sua Santidade e ao seu magistério. Sejamos dignos de ostentar, também nestes conturbados tempos, o grandioso título de nação fidelíssima, outrora concedido pela Sé Apostólica ao nosso país e aos seus reis.

5. Cinquenta razões para rezar o terço todos os dias. Sendo cinquenta as Avé-Marias de um terço, ocorre-me oferecer cinquenta razões para que tu e eu rezemos diariamente o terço de Nossa Senhora. E, como me falta o engenho e a arte para tal efeito, permite que por mim falem dois mil anos de devoção mariana e assim conheças cinquenta títulos de Maria que justificam abundantemente que nunca lhe deixes de recitar esta oração, que é tão do seu agrado e, para ti e para o mundo, de tão grande proveito.

Reza pois, todos os dias, o terço do Santo Rosário, porque Nossa Senhora é

1) Virgem prudentíssima

2) Virgem venerável,

3) Virgem louvável,

4) Virgem poderosa,

5) Virgem clemente,

6) Virgem fiel,

7) Espelho de justiça,

8) Sede da sabedoria

9) Causa da nossa alegria,

10) Vaso espiritual,

11) Vaso honorífico,

12) Vaso insigne de devoção,

13) Rosa mística,

14) Torre de David,

15) Torre de marfim,

16) Casa do ouro,

17) Arca da Aliança,

18) Porta do Céu,

19) Estrela da manhã,

20) Saúde dos Enfermos

21) Refúgio dos pecadores,

22) Consoladora dos aflitos,

23) Auxílio dos cristãos,

24) Rainha dos Anjos,

25) Rainha dos Patriarcas,

26) Rainha dos Apóstolos,

27) Rainha dos Mártires,

28) Rainha dos Confessores,

29) Rainha das Virgens,

30) Rainha de todos os Santos

31) Rainha concebida sem mancha de pecado original

32) Rainha elevada ao Céu em corpo e alma

33) Rainha do Santíssimo Rosário

34) Rainha da Família,

35) Rainha da Paz,

36) Rainha de Portugal,

37) Nossa Padroeira,

38) Mãe do bom conselho,

39) Mãe admirável,

40) Mãe amável,

41) Mãe intacta,

42) Mãe imaculada,

43) Mãe castíssima,

44) Mãe puríssima,

45) Mãe da divina graça,

46) Mãe da Igreja,

47) Mãe do Criador,

48) Mãe do Salvador,

49) Mãe de Cristo,

50) E tua Mãe também!

6. Conclusão. É hora de rezar o Santo Rosário. Deus quer a nossa oração, Maria deseja-a e o nosso País necessita-a cada vez mais.

Que cada Glória seja um cântico de louvor à Santíssima Trindade! Que cada Pai-Nosso seja um acto de fé, de esperança e de caridade! Que cada Avé-Maria seja um acto de entrega pessoal a Cristo e à sua Igreja!

Que cada oração seja, em suma, um tiro certeiro contra o mal e uma rosa de amor posta, com devoção, aos pés de Nossa Senhora, nossa Mãe e Rainha de Portugal.