sábado, 19 de março de 2011

From Planned Parenthood to Pro-Life: The Dramatic True Story of a Former Planned Parenthood Leader

by William E. May, Ph.D., Senior Fellow

In Culture of Life Foundation

The subtitle of this essay is in quotation marks because it is the subtitle of unPlanned, the recently published life story of Abby Johnson, former abortion advocate turned pro-life. This remarkable book tells us of: 1. Abby’s own attitude toward abortion; 2. Why she became a Planned Parenthood volunteer; 3. Her career with Planned Parenthood from 2001-2009; 4. How her eyes were opened to the reality of abortion; and 5. Her decision to resign from Planned Parenthood and cross the life line.

Abby’s own Attitude Toward Abortion

Abby grew up in a church and a family that believed in the sanctity of life (p. 21). But as a college student she had two abortions, both occurring after she became pregnant and while working first for her undergraduate degree and second for a master’s in psychological counseling and therapy. She conceived out of wedlock the first time and followed her boy friend’s advice to have the abortion; the second time she got pregnant while married to him but in the process of divorcing him. Both times abortion seemed to her to be a necessary means to avoid serious problems (pp. 22- 26, 44-48). She had her second abortion by using the drug RU-486 (Mifeprex) that caused her terrible pain but nonetheless succeeded in ridding her of the unborn baby. Since she had grown up opposing abortion, she had to rationalize her abortion decisions in order to justify them in her mind. She embraced a view that separated her from the child she carried. She did not see herself as a woman carrying a baby. “What I saw,” she writes “was that I was in a condition of pregnancy, not that I was now the mother of a child already dependent on my body for sustenance.” This was Planned Parenthood’s way of describing abortion (p. 45).

Why Be a Planned Parenthood Volunteer?

At a Volunteer Fair held at Abby’s undergraduate college, Jill, the Planned Parenthood representative, told Abby that every community needs a clinic women can turn to when they are in trouble or need help and Planned Parenthood provides this, offering counsel, free birth control, and abortions if they are necessary. Jill stressed that Planned Parenthood’s goal was to make abortions rare by making effective birth control available to women. It offered abortion only as a last resort and did so because women have a right to a safe abortion. Otherwise they might suffer injury or even death at the hands of back alley abortionists. Planned Parenthood also offered annual medical exams, treatment for sexually transmitted diseases, sex education, breast and cervical exams, etc. (pp. 13-14). Falling for the beneficent myth, Abby quickly volunteered to help at the local clinic.

Abby’s Career with Planned Parenthood

From 2001 until October 2009 Abby was closely involved in the work done at the Planned Parenthood clinic in Bryant, TX, first as a volunteer while finishing her undergraduate education, then as a counselor of the women who visited the clinic after graduating from college and again after completing a master’s degree in counseling and therapy, and finally as director. She looked on her work as a good way to help women in crisis situations, to teach them how to use modern contraceptives so that abortions would be rare. She felt uneasy on “abortion days,” when visiting abortionists removed the “products of conception” or “fetal tissues” from women’s bodies. On those days Abby had to confront protestors on the other side of the fence. Some of them frightened Abby and others on her side by calling them “murderers” and waving posters with gruesome pictures of aborted babies. Another group of protestors was different. Members of the Coalition for Life were peaceful; they prayed for Abby and her associates and their “clients,” and tried to make friends with them, urging them to listen to their reasons for opposing abortion; over the years Abby was attracted to them, in particular by Shawn Carney and Marlissa who later married Shawn (see pp. 31-38, 145 ff).

Abby was convinced that Planned Parenthood was passionately concerned for the well-being of women and sincere in claiming that its goal was to make abortion rare. After she became director of the clinic (she was then married to Doug, who hated abortions), she was determined to make it the best such facility in Texas. Alone of all clinics it remained open under her leadership during Hurricane Ike in September 2008 despite orders from higher ups to close it. Later she was commended for keeping the clinic open and was even named “employee of the year” (pp. 105-112).

Late in 2008 Planned Parenthood announced plans to open a massive 7 storey clinic in Houston that would be one of the largest abortion facilities in the nation, with license to do abortions after 25 weeks. This news upset Abby terribly (pp. 111-112). Because of economic conditions, pressure was put on Abby to increase abortions at her clinic. Cheryl, her former superior, told her that she had a business to run and needed to put her priorities straight and increase abortions because of the income they generated. When Abby protested she was summoned to a meeting in Houston and reprimanded for not following orders to increase abortions. (pp. 135-139).

How Abby’s Eyes—and Heart and Mind—Were Opened

Late in September 2009 Cheryl, Abby’s then former superior at the clinic, asked her to help out in the exam room on an abortion day (Cheryl always came on those days). Arriving at the exam room, Abby found that the abortionist visiting the clinic used ultrasound to guide his abortion operations. Ultrasound-guided abortion had not been used before in the facility. The sonogram showed the entire, perfect profile of a little baby who was thirteen weeks of age, reminding Abby of the one taken of her baby Grace before she was born. Abby watched as the cannula, a straw-shaped tube attached to the suction tube, had been inserted into the uterus of the woman. At first the baby did not seem aware of the cannula, but soon the baby kicked her feet in an effort to get away from the probing invader. When the cannula was in the right spot over the squirming baby the doctor ordered the suction tube to be turned on and soon the baby’s crumpled body was being sucked into the tube. The last thing Abby saw “was the tiny, perfectly formed backbone being sucked into the tube.” How could she now believe what Planned Parenthood had told her—and what she was telling clients—that abortion is simply a procedure removing fetal tissue from the woman’s body? She was now facing a crisis in her own life. How could she keep working for Planned Parenthood? (pp. 1-8).

Abby’s Decision to Leave Planned Parenthood to Defend Unborn Human Life

After this experience Abby resolved to resign her post but she needed a job. Yet she resolved, with the support of her husband Doug who was against abortion, to resign two weeks later. One day the following week she quietly left the clinic and went to the Coalition for Life office where she was welcomed and tearfully told her story. When Shawn Carney, whose peaceful reasoning from across the abortion fence had moved her, finally came and heard it, he promised to have her meet Dr. Haywood Robinson who, like the late Dr. Nathanson, was an abortionist who became an ardent pro-lifer. Abby met him later that week and through his help was able to obtain a job as a counselor-therapist (pp.155-175). She then wrote her resignation from Planned Parenthood and sent it to her superiors.

Planned Parenthood brought suit against Abby claiming that when she left she stole confidential information such as the code to the security system and counseled employees to resign also; Abby’s lawyers were able to show that Planned Parenthood could not prove its case and the judge dismissed the claim (pp.223-259).

Abby’s story is more than remarkable. It shows us how, with the help of God’s grace and friends who truly love us, we can come to recognize the euphemistic language used to camouflage the killing of innocent unborn babies and to recognize its brutal reality.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Carta aberta ao Bispo de Coimbra – Um pedido de esclarecimento

“ ... D. Albino Cleto,

Os meus cumprimentos.

Chamo-me Luis Miguel Silva, tenho 47 anos.

Sou Católico praticante.

Sou casado com a Iva.

Quis Deus presentear o nosso casamento com três filhas: a Carolina de 15, a Beatriz de 13 e a Clarisse de 11 anos.

Sou Engenheiro Civil.

Fui membro activo do Movimento Católico de Estudantes depois de desempenhar funções como membro do Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil na Diocese da Guarda.

Feita a apresentação venho solicitar-lhe o esclarecimento para as dúvidas que me surgiram aquando da leitura de um cartaz que anuncia uma conferência no CUMN em Coimbra e que, parece, tem o seu Alto Patrocínio.

A minha primeira dúvida é a seguinte:

- O que é um “recasado”?

- Quem pode “recasar”? Em que circunstâncias?

- Estamos a criar divorciados de 1ª categoria e de 2ª categoria?

- Temos necessidade deste tipo de exibicionismo verbal?

Já agora:

- Sendo casado com a minha mulher: posso divorciar-me para depois voltar a “recasar”?

- Em que situação será aceite pela igreja o meu recasamento?

A terminar esta dúvida primeira:

- Não estaremos a re-denominar coisas demasiado sérias apenas para nos colocarmos na onda laica?

- Tem a Igreja necessidade de utilizar e nomear as coisas nobres como o é o CASAMENTO?

Que eu saiba o Sacramento patrocinado por Deus denomina-se MATRIMÓNIO e não REMATRIMÓNIO!

A segunda dúvida assenta no tema da Homossexualidade:

Nessa conferência é interessante apresentar o Homossexual como Teólogo.

Não teço os comentários seguintes com o intuito de avaliar a pessoa em questão, que não conheço e portanto por aqui me fico!

Conheço muitos Homossexuais que são jornalistas, médicos, professores, ...

Mas queremos (com a parangona que o cartaz nos oferece gratuitamente) dar a perceber aos participantes da conferência: o quê precisamente?

Deus, teologia, homossexualidade, todos iguais todos diferentes todos no mesmo saco?

Nada tenho a ver com as opções de cada um (e que Deus conhecerá no seu íntimo)... mas acho que a Igreja pode patrocinar a apologia do acolhimento a todos sem esquecer que deve patrocinar o culto maior pela diferença que é ser Cristão!

E ser-se homossexual não é propriamente ser-se diferente.

Fico sem perceber, confesso, o que quer a Igreja que eu explique às minhas três filhas sobre o tema da Homossexualidade, sobretudo na fase em que tudo lhes entra pelos olhos e em que a sociedade está organizada para nos fazer querer que a anormalidade é normal!

Já agora explique-me uma coisa D. Albino: se é normal a relação entre pessoas do mesmo sexo, porque não tornamos os Seminários mistos? Porque não ensinamos, no limite do risco, que: Homens e Mulheres, Sacerdotes e Religiosas não têm diferenças e que o “cruzamento” entre pessoas do mesmo género é obra de Deus?

Não seria normal? Não é para aí que estamos a caminhar? Para a indiferenciação dos géneros e para o “abuso dos cruzamentos”?

Qual é o limite cristão para a homossexualidade?

E qual é a fronteira da homossexualidade e da pedofilia?

E a da ambas para o mundo da adopção?

Que triângulo é este e qual é a posição da Igreja para os seus vértices e para os lados que os unem?

A terminar, pergunto-lhe:

- quando é que a Igreja começa a interpelar publicamente (e nos órgãos de comunicação social) a Sociedade quanto às novas modas laicas para as quais alguns dos seus membros (católicos) tão acérrima e silenciosamente têm contribuído, como é o caso de alguns membros do Governo?

Não esqueçamos o exemplo de Pedro Silva Pereira e da sua proximidade à Igreja Católica - predilecto do actual Cardeal Patriarca no tempo em que foi responsável pela Pastoral Juvenil da Diocese de Lisboa.

Já lá vai algum tempo é certo...

Mas tem a Igreja recebido “alguma contrapartida” pelo seu silêncio?

Tem a Igreja medo de quê, mais precisamente?

Não estamos a atingir o limiar da promiscuidade em que tudo se confunde?

Não estão os católicos a branquear os laicos?

Onde estão os valores que nos diferenciam?

Porque temos de nos reverenciar perante os valores laicos? Acaso são o novo deus do século XXI?

Acaso isso é pedido por Deus nalgum sítio?

Estamos por acaso a re-escrever os ensinamentos de Deus à luz que mais convém?

Gostaria de ser esclarecido...

É que nunca, D. Albino, gostaria de chegar ao ponto de o cumprimentar com um: “porreiro pá!” - laico e amistoso, por certo!

Há distâncias que se devem manter!

Pelo respeito que merecem as Instituições!

Pelo respeito que nos deveria merecer o Sacramento do MATRIMÓNIO!

Termino pedindo-lhe que reze por mim caso eu esteja profundamente errado!

Se assim for: que Deus me perdoe!

Um abraço,

Luis Miguel Silva


Coloco a minha mulher em cópia desta mensagem.

Não vá ela ter conhecimento do seu conteúdo por algum outro caminho e julgue que me quero mesmo divorciar.

Para nós, foi um caminho que decidimos trilhar há um tempo, e é isso que explicamos às nossas 3 filhas.

Seremos sempre tolerantes ainda que tenhamos muita dificuldade em aceitar tudo como nos querem impor!

Rezamos para que Deus as ajude a descobrir a sua vocação...

Rezamos para que se o caminho for outro, Deus ilumine uma, duas ou três famílias a que criem três rapazes à altura delas!


quinta-feira, 17 de março de 2011

Who is funding the coordinated attempt to subvert the Church’s teaching on homosexuality and marriage?

Pro-gay-marriage billionaires and foundations are behind an organized effort to sow dissent and confusion among Catholics on the issues of homosexuality, marriage and family. And the first step to stopping them is knowing what we’re up against. Read more

Eu, Padre, Casado me confesso…

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Anda por aí um burburinho dos diabos, à conta de uma declaração de uma centena e meia de teólogos alemães que, há falta de um tema mais original, decidiram questionar o celibato sacerdotal. É, juntamente com o famigerado sacerdócio feminino, uma insistente proposta de alguns grupos de católicos pouco ortodoxos que, se me permitem a charada ecuménica, de tão reivindicativos dir-se-ia que são protestantes.

Não obstante alguns contornos mais caricatos, a questão é séria e merece alguma reflexão. Depois de uma etapa fundacional em que, à imagem de Cristo, os apóstolos e outros, como São Paulo, se mantiveram célibes “pelo reino dos Céus”, vieram tempos em que os presbíteros podiam ser casados. Contudo, tendo em conta os resultados dessa primitiva experiência, entendeu-se preferível retomar a tradição evangélica, repondo o celibato sacerdotal na Igreja Católica latina. Portanto, um eventual regresso à anterior situação representaria, em termos históricos, um retrocesso, ainda que disfarçado de revolucionária novidade e, o que é pior, um afastamento em relação ao exemplo de Cristo, que é o modelo e a razão do sacerdócio eclesial.

Há, sobre esta matéria, um duplo equívoco, que importa esclarecer.

O primeiro decorre da suposição de que só há amor quando há uma vida sexual activa e, portanto, a imposição do celibato implica a frustração emocional do padre que, entregue à sua própria solidão, fica assim mais exposto às fraquezas da humana condição. Já São Paulo advertira: mais vale casar-se do que abrasar-se. É certo. Porém, o sacerdote não é um homem sem amor, muito embora a sua realização afectiva não tenha expressão sexual. Um presbítero que não ame, que não esteja apaixonado, é certamente um ser vulnerável e fragilizado, não por ser padre, mas precisamente por o não saber ser.

Com efeito, o ministério sacerdotal não se reduz a uma função burocrática, em cujo caso o celibato não faria sentido, mas antes se realiza naquele “amor maior” de que Jesus Cristo é o perfeito exemplo. E é bom recordar que o Verbo encarnado não é apenas Deus perfeito, mas também perfeito homem, pelo que a sua circunstância celibatária não só não foi óbice como condição para essa plena realização da sua natureza humana.

Outro lapso é supor que os padres da Igreja Católica são solteiros, o que manifestamente não corresponde à realidade. Saulo de Tarso, quando disserta sobre a grandeza do sacramento do matrimónio, refere-o a Cristo e à sua Igreja, por entender que esta aliança é de natureza nupcial. Por isso, o sacerdote católico, configurado com Cristo pela graça da sua ordenação, “casa” com a Igreja, que é a sua esposa, não apenas mística mas também real e existencial, na medida em que lhe exige uma entrega exclusiva e total.

Há tempos ouvi na rádio uma conhecida balada, em que se repetia um refrão que é aplicável ao celibato sacerdotal: “eu não sou de ninguém, eu sou de todo o mundo e todo o mundo me quer bem”. Nem mais: para ser de todos e para todos é preciso não ser de ninguém em particular. É o que também me dizia um amigo quando, dando-me as Boas Festas, desejava felicidades para a minha família que, acrescentava com inspirada eloquência, “somos todos nós”.

Mas há mais. Os inimigos do celibato sacerdotal obrigatório são muito mais generosos do que se pensa pois, não satisfeitos com dar uma mulher aos padres, querem dar-lhes duas: a esposa e … a sogra!

New Proofs for the Existence of God - O site que fazia falta

The Magis Center of Reason and Faith

Siempre hay una razón para vivir

quarta-feira, 16 de março de 2011

Embrião, quem és tu?

Pedro Vaz Patto

Tem sido noticiada a intenção governativa de eliminar limites à investigação em células estaminais embrionárias humanas. Sobre os previsíveis resultados, no plano terapêutico, desse tipo de investigação, no confronto com a investigação em células estaminais adultas, muito haveria a dizer. Na verdade, até agora é este tipo de investigação (que não suscita os dilemas éticos suscitados pela investigação destruidora de embriões) a que tem dado mais imediatos e seguros resultados.

Mas a questão central e incontornável é, precisamente, de ordem ética e prende-se com a do estatuto do embrião humano: tem este a dignidade própria da pessoa humana, ou é um material manipulável; é ele um sujeito, ou um objecto?

Se ao embrião humano deve ser atribuída a dignidade de pessoa, não pode ele, de acordo com a lapidar máxima kantiana, ser reduzido a instrumento ao serviço de outros fins, mesmo os da investigação científica e do progresso da medicina. Os mais nobres fins não justificam meios em si mesmo eticamente reprováveis, como o da eliminação de vidas humanas inocentes.

O que é (ou quem é), então, o embrião humano?

A partir da concepção estamos perante um novo ser da espécie humana, com um património genético próprio (único e irrepetível, distinto da mãe e do pai), dotado de capacidade de evoluir, conservando sempre a mesma identidade (é sempre o mesmo até à idade adulta e à morte), através de um processo autónomo e coordenado, sem qualquer quebra de continuidade, de acordo com uma finalidade presente desde o início (um processo sumamente organizado e inteligente, pois, muito longe de um simples amontoado de células). No fundo, o embrião é aquilo que cada um de nós já foi e nenhum de nós teria atingido a fase da vida que hoje atravessa se não tivesse passado por essa fase inicial da vida, ou se tivesse sido impedido nessa fase tal processo de evolução natural.

Trata-se de um processo contínuo, sem saltos de qualidade. Isto significa que a dignidade da pessoa existe desde a concepção, não se adquire a partir de determinado momento, nem se vai adquirindo progressivamente. A dignidade própria da pessoa humana ou se tem, ou não se tem. Porque se trata de um processo contínuo, é arbitrário estabelecer qualquer fronteira (a actividade racional, a auto-suficiência, a capacidade de sentir dor ou de interagir socialmente) só a partir da qual se possa falar em dignidade de pessoa. Qualquer destas capacidades já existe em “germe” desde a concepção, vai sendo adquirida progressivamente e vai evoluindo antes e depois do nascimento. Algumas delas não existem na sua plenitude antes do nascimento, mas também não existem na sua plenitude até à idade adulta, tal como se podem perder na fase terminal da vida ou por motivo de doença. Por nenhum destes motivos a pessoa perde o seu estatuto de pessoa e a dignidade que lhe é própria. É o ser pessoa, e não uma sua qualquer capacidade, que funda tal dignidade.

A partir da concepção, não pode falar-se em “projecto de vida” ou “pessoa em potência”. A vida já existe, a pessoa já existe. Devemos falar, antes, em pessoa com potencialidades que ainda não se actualizaram, mas que se actualizarão no futuro se nada o impedir. E é assim não apenas no momento da concepção, também o é ao longo de toda a vida.

Não é a minúscula dimensão do embrião, a sua extrema debilidade ou a sua incapacidade de nos emocionar com a sua visibilidade que lhe retiram relevância ética. Para ele vale especialmente a advertência evangélica sobre o amor ao «mais pequeno dos meus irmãos». E também a regra de ouro comum a todas as religiões e correntes éticas laicas: «não faças aos outros o que não gostarias que te fizessem a ti» (a ti, que já fostes um embrião a quem ninguém impediu o natural desenvolvimento).

Muito grave seria se entre nós, a propósito da legislação proposta pelo governo, nem sequer encontrasse eco a discussão destas questões, que vêm ocupando os filósofos, juristas e políticos dos mais variados quadrantes. Seria grave no plano das prioridades éticas e no plano da legitimidade política democrática.

terça-feira, 15 de março de 2011

La Iglesia fue el mayor enemigo del nazismo

Después que diera a conocer al lector en lengua española la heroica resistencia de algunos jóvenes alemanes contra el régimen nazi a través de su obra «La Rosa Blanca» (LibrosLibres), José M. García Pelegrín (Madrid, 1958) ha seguido profundizando en aquellas personas que se opusieron al diabólico proyecto del nacionalsocialismo, incluso al precio de sus propias vidas.

Fruto de esta investigación, el autor, Doctor en Filosofía y Letras, con especialidad de Historia por la Universidad de Colonia, publica «Cristianos contra Hitler» (LibrosLibres), obra en la que nos recuerda que "no todos los alemanes eran nazis".

En diálogo con Religión en Libertad, García Pelegrín nos explica la tensa y complicada relación entre el régimen dictatorial nazi y sus principales enemigos, los cristianos, y nos presenta a seis personajes que resplandecieron como una luz en medio de las tinieblas del odio, la opresión y la muerte.

- ¿Es cierto que los votos que llevaron a Hitler al poder fueron, en su mayoría, provenientes de lugares no de mayoría católica sino protestante? ¿Quiénes fueron los «Cristianos alemanes» en la iglesia evangélica?

Leer más